PLENÁRIA DE AVALIAÇÃO FREPOP 2016

13º PLENÁRIA DO FREPOP – Fórum de Educação Popular

Ao final de cada FREPOP, realizamos com quem quiser participar a plenária de avaliação e desenho do próximo FREPOP.

A plenária foi dividida em três momentos:

1) Avaliação

2) Proposta de substituição da natureza da ONG FREPOP para uma Universidade Popular (A ONG FREPOP já não cumpre papel de organização do FREPOP)

3) A construção coletiva de uma Carta de Recife

 

PRIMEIRO MOMENTO

AVALIAÇÃO DO 13º FREPOP 2016

Foi proposto um cochicho em grupos no plenário para responder duas indagações sobre o FREPOP 2016.

Resultado dos grupos:

O QUE ESTAMOS LEVANDO?
(Aprendizados, Perguntas, Desafios, Luzes…)

  • Levamos perguntas – Como iremos nos organizar para enfrentar os “novos dragões” da atual conjuntura?
  • Desafio de possibilitar maior participação do(a) educador(a) da base participar de espaços como este;
  • A certeza de que devemos continuar “o FREPOP”;
  • A necessidade de intensificar processos educativos; É preciso processos de formação de novos educadores/as, muitos que vieram para este FREPOP não são educadores/as populares, estiveram fazendo contato pela primeira vez com esta forma de fazer social transformador – como garantir que estes permaneçam na Educação Popular?
  • Que a esperança está no sujeito do processo;
  • Sonho; Esperança; Confiança de que podemos FAZER; Fortalecimento; Curiosidades; Desafios; Desejos de dialogar;
  • Conhecimentos, experiências, interatividade, trocas com outras pessoas;
  • A certeza de que é possível a construção coletiva;
  • A força da educação popular;
  • Energia positiva frente à conjuntura;
  • Envolvimento com as comunidades;
  • Novos horizontes, o resgate e o reencontro de pessoas e de possibilidades;
  • O desejo de continuar nos encontrando;
  • O desafio de materializar/colocar em prática as proposições/encaminhamentos discutidos e construídos nas diferentes atividades;
  • A tarefa de levar o construído, acumulado no fórum para nossas bases;
  • Muito aprendizado, acolhimento, contatos, energia boa;
  • Angústia de ver que somos muitos, mais ainda muito espalhados, e com a impressão de que estamos falando para nós mesmos;
  • Determinação, esperança, aprendizados e troca de saberes;
  • Desafios, relação afetiva para construir, aceitação, solidariedade, respeito;
  • Resiliência, empoderamento das raízes, ressignificação, resistência, luta;
  • Aprendizado, diálogo intercultural, intercâmbio, novas conceituações, sementes;
  • Humanização, calor humano, entusiasmo;
  • Nutrição da esperança, amor, tesão, paixão;

O QUE DESEJAMOS PROPOR?
(Afirmações, Mudanças, Encaminhamentos…)

  • Nova metodologia para melhor aproveitar os espaços das arenas (pois todas estiveram esvaziadas);
  • Melhorar a visualização e divulgação das atividades (programação impressa);
  • FREPOP como processo constante de formação/informação no esforço territorial;
  • Construir Comissões Territoriais para praticas educativas permanentes;
  • Fortalecer as Cirandas Locais, manter a autogestão e sustentação do evento;
  • Levar o FREPOP para as Cidades; Fazer relatório do que fizemos e até onde chegamos;
  • Que os movimentos sociais sejam protagonistas da organização do evento;
  • Estreitar o diálogo com os movimentos sociais;
  • Melhor divulgação do evento;
  • Efetivação das agendas;
  • Formar coletivos estaduais;
  • Mais tempo para avaliação;
  • Garantir pequenas sínteses, registros do que foi discutido e encaminhado em cada atividade realizada;
  • Repensar e experimentar novos processos organizativos – sobretudo na perspectiva autogestionária no território da economia solidária;
  • Fortalecer o território da agroecologia no fórum;
  • A continuidade da Tenda da Memória;
  • Repensarmos e exercitarmos diferentes processos de mobilização e formação permanente em nossas bases;
  • Repensar o formato, principalmente para mobilizar as pessoas a se encontrarem mais; por exemplo: um dia de oficinas, uma dia de rodas de conversas e um dia para Arenas;
  • Menos oficinas;
  • As noites deixar mais livre para as manifestações culturais;
  • Que tenha o 14º FREPOP;
  • Título da Carta Recife: FREPOP RECIFE PELA DEMOCRACIA;
  • Que no próximo FREPOP exista um eixo que discuta a questão de Gênero com encaminhamentos de ações, do tipo propostas de projeto de lei;
  • Relatorias nas atividades;
  • Que estes desejos não tenham fim.
  • Que tudo isso reverbere nas nossas vidas sempre.
  • Divulgar e ampliar tudo isso ao máximo, sendo agentes de mudança.
  • Construir comunidades com o verdadeiro sentido comunitário.
  • Construir, sempre, COM a comunidade, não PARA a comunidade.
  • Que se fale mais da UNIPOL nos próximos encontros.
  • Que haja um numero menor de atividades simultâneas, previamente selecionadas.

 

SEGUNDO MOMENTO

A ONG FREPOP já havia tomado a iniciativa de ser extinta por entender que o FREPOP não é mais um evento organizado por uma pessoa jurídica como fora até 2014. Até o evento realizado em Sergipe no municipio de Lagarto, a ONG FREPOP tinha responsabilidades e estava responsável pela prestação de contas, organização, mobilização e articulação do FREPOP. Lá definiu que o FREPOP deveria ocorrer de dois em dois anos, e um processo de construção coletiva, autogestionaria e participativa desde os estados até a realização do evento.

No processo de organização do FREPOP 2016 foram realizadas mais de quarenta Cirandas de Mobilização e Organização, o FREPOP contou com um Comitê Local Autogestionário e colaboradores nos estados.

A ONG FREPOP não teve nenhum papel neste evento, e sequer reuniu-se como tal desde a eleição da atual diretoria.

O CNPJ

Se a decisão de extinção da ONG ja estava madura por muitas pessoas que atuam no FREPOP desde o inicio, ficou uma questão: O que fazer como o CNPJ que tem nove anos de atuação com recursos públicos com todas suas contas aprovadas?

A plenaria neste sentido aprovou:

  1. Que a ONG FREPOP esta extinta, e que o Fórum não esta mais ligado a um CNPJ.
  2. Que o destino do CNPJ será definido na próxima Ciranda de Sistematização do FREPOP a ser realizada ainda em 2016.

 

TERCEIRO MOMENTO

Havia a iniciativa de propor um diálogo antes do FREPOP sobre a aprovação na plenária de uma Carta de Recife, no entanto, Marcio Cruz que ficou de propor a primeira versão não conseguiu cumprir com a tarefa antes da data do fórum.

Neste sentido, propôs a plenária que a Carta de Recife fosse construída depois do FÓRUM DE FORMA COLABORATIVA E PARTICIPATIVA, a partir de um texto inicial.

O texto base em tem três partes:

a) Enunciado

b) Contexto

c)  Declarações

A primeira versão foi escrita durante o FREPOP, com a colaboração de Marcio Cruz, Lurdes Santin e Selvino Heck e apresentada a plenária que acatou o procedimento e o texto inicial, sabendo que a sistematização a partir das contribuições que virão poderá alterá-lo em parte ou no todo.

Cada educador/a que desejar contribuir com a CONSTRUÇÃO DA CARTA DE RECIFE, deve fazer sua contribuição diretamente no site, NOS COMENTÁRIOS, para que fique visualizado a todos/as as pessoas que desejarem acompanhar o dialogo.

A sistematização do debate e o fechamento da Carta de Recife será realizada na Ciranda de Sistematização a ser convocada ainda para este ano.

Clique aqui e PARTICIPE DA CONSTRUÇÃO COLETIVA DA CARTA DE RECIFE.