MINHA BREVE AVALIAA�A?O SOBRE O XIII FREPOP – X INTERNACIONAL (por Antonio Folquito)

buy pills Captura de Tela 2016-08-02 A�s 10.21.34

A EDUCAA�A?O POPULAR CONTINUA SEU CAMINHO AUTA�NOMO, RADICALMENTE CRA?TICA E LIBERTADORA, MUITO ALA�M DAS DISPUTAS E DOS INTERESSES PARTIDA?RIOS, ASSIM COMO DAS RELAA�A�ES SUBSERVIENTES AO PODER POLA?TICO.

Vou tentar expressar aqui o que jA? havia dito em vA?rias oportunidades, durante o desenrolar do prA?prio evento. Antes de mais nada, quero agradecer do fundo do meu coraA�A?o tod@s as pessoas que laboriosa e decididamente se esforA�aram para que o fA?rum de forma brilhante acontecesse. Desde as que atuaram diretamente na coordenaA�A?o geral, como os companheirosA� cheap sildalis review Cledson ReisA�eA�Marcio Cruz; atA� o A?ltimo dos voluntA?rios a se inscrever para, generosamente, atuar nos bastidores. Tod@s estA?o de parabA�ns pelo sucesso do evento!

Quero agradecer tambA�m todas as pessoas com as quais me encontrei e pude trocar as mais positivas energias e ideias. Em especial, A�quelas que refletiram longamente comigo sobre os rumos que deveria tomar o evento e que acabaram por influenciar direta ou indiretamente as minhas tomadas de posiA�A?o, ao longo dessa A?ltima semana:A�Alexandre Barreto,A�Aline Oliveira, A?lvaro Pantoja Leite, Any Bares,A�Beatriz GonzA?lez Soto,A�Claudia Xavier pills online ,A�Eduardo Quive cheap diakofucboy , Jose Luiz Horta Machado, Ray Lima,A�Wellington Agostinho

Pela primeira vez, desde a fundaA�A?o do fA?rum, em 2013, participei deste evento tA?o somente como alguA�m convidado (mas, pagando a prA?pria passagem). Cheguei a atuar numa arena e facilitei, ainda, duas vivA?ncias a vA?rias outras pessoas interessadas. Circulei por onde pude e conversei com muitas pessoas. Portanto, tive um olhar “de fora” da organizaA�A?o, distante das tensA�es e dos compromissos de fazer algo funcionar. Creio que esta condiA�A?o deveras privilegiada me deu um outro olhar para ver, ouvir, falar e sentir o que efetivamente ocorre no chA?o do movimento que estamos construindo.

O FREPOP se credenciou como um grande espaA�o de encontros mA?ltiplos, heterogA?neos, propositivos, rumo ao outro mundo possA�vel que almejamos, mas nA?o hegemA?nico. O respeito A� heterogeneidade A� de fato a sua marca registrada. Essa multiplicidade de atrizes, atores e personagens nA?o A� dispersante, nem difusa, mas constituinte de relaA�A�es que apontam para uma nova A�tica e para novas formas de se construir e viver o social, num clima de muita solidariedade, de muito companheirismo e, sobretudo, de muita generosidade.

Vivi momentos excepcionais no encontro com as outras pessoas. Considero que os encontros sejam sempre muito mA?gicos e imponderA?veis. Por vezes, me levaram a experimentar sentimentos muito intensos e profundos. Cheguei atA� a soluA�ar diante de tanta beleza! E nA?o observei isto apenas em mim, mas foram muitos os relatos de outras e outros que confirmaram-me que a essA?ncia do evento estA? nele mesmo. Sem passar pelo conhecimento no prA?prio corpo (nossa primeira dimensA?o), vivendo e experienciando a EducaA�A?o Popular, mediada por esse encontro entre as pessoas que interagem e se educam reciprocamente, nA?o se pode dizer que na realidade a entendemos. Temos que passar por essa interaA�A?o para nos transformarmos e nos apropriarmos como educadores populares. O nosso chA?o A� a experiA?ncia factA�vel. E o FREPOP nos oferece exatamente isto! NA?o hA? conceitos, palavras, discursos ou textos que consigam render cabalmente a apreensA?o que cada uma/um de nA?s faz, em si mesmos, nesse ato de uma profunda troca de energias. E essa apreensA?o A� tambA�m coletiva porque todas as pessoas com quem conversei, ao longo desses dias, me disseram exatamente o mesmo que lhes estou dizendo aqui. Por isto tudo, o FREPOP serA? um sucesso, independentemente das condiA�A�es materiais em que se realiza.

Comparando com todas as ediA�A�es anteriores, creio que esta tenha apresentado um maior nA?mero de dificuldades. Desde a falta de informaA�A�es a respeito de onde, quando e como se desenrolariam as atividades, passando pelas precA?rias condiA�A�es de hospedagem coletiva atA� as dificuldades iniciais do serviA�o de alimentaA�A?o. E creio que os emaranhados nA?o se encerrem aA�, no A?mbito da infra-estrutura, mas que se localizem tambA�m no prA?prio gerenciamento do evento como um todo.

Como jA? mencionei acima, porA�m, os objetivos do evento foram plenamente alcanA�ados pela prA?pria fala das pessoas participantes. Afinal, o simples fato de gente dessa natureza se encontrar jA? produz o que A� necessA?rio para que ela continue se encontrando. E o XIII FREPOP – X Internacional, neste aspecto, nA?o foi em nada diferente de todos os eventos anteriores, desde 2003.

Um penA?ltimo parA?grafo sobre a minha explA�cita e pA?blica retirada do plenA?rio da AvaliaA�A?o Final, antes da leitura e discussA?o do texto da chamada “Carta de Recife”. NA?o entro aqui no mA�rito dos temas ali tratados. Entendo que seja legA�tima qualquer manifestaA�A?o de tendA?ncias ou grupos, de qualquer natureza, dentro do fA?rum. Mas, entendo tambA�m que as pessoas precisam assumir a responsabilidade pelo que publicam. Portanto, se a referida carta conter a identificaA�A?o de quem a subscreve, nA?o vejo mal algum que ela circule. Se trata, contudo, de gente do evento e nA?o o FREPOP (agora, Movimento) como um todo, mesmo porque hA? muitas vozes discordantes entre nA?s quanto ao modo de se entender a postura e a atuaA�A?o da EducaA�A?o Popular dentro da atual conjuntura polA�tica em que vivemos.

Partilho da opiniA?o utA?pica daqueles que, dentro do FREPOP, vA?em e agem atravA�s da EDUCAA�A?O POPULAR vista como um instrumento pedagA?gico a serviA�o da transformaA�A?o social, de natureza radicalmente crA�tica e libertadora tanto das pessoas, quanto dos grupos, chegando a atingir a inteira coletividade, mantendo-se, contudo, de forma autA?noma, eqA?idistante das disputas e dos interesses partidA?rios, assim como da subserviA?ncia ao poder polA�tico de plantA?o.

Assim, o FREPOP continua firme na construA�A?o de um outro mundo possA�vel.

Lins (SP), 27 de julho de 2016.

Antonio Folquito Verona

Um comentário sobre “MINHA BREVE AVALIAA�A?O SOBRE O XIII FREPOP – X INTERNACIONAL (por Antonio Folquito)

  1. Importante avaliação. Gostaria de dar destaque a outras duas pessoas que compuseram o processo que você chama de “Coordenação Geral”: falo de Glauce Golveia e a Carla Dozzi. Sem a dedicação destas duas mulheres, o FREPOP não teria sido o que foi, especialmente em suas virtudes!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*