Ciranda do FREPOP de Curitiba reúne estudantes para discutir Cultura e educação popular.


Ocoimage1rreu no dia primeiro de outubro, em Curitiba a primeira Ciranda de Educação Popular do FREPOP com o tema Cultura e Educação Popular. A programação estava inserida na agenda da semana cultural de Curitiba promovida pela Fundação Cultural da Cidade.

Na parte da manhã foi realizada uma oficina sobre o tema educação popular e cultura, onde se desenvolveram narrativas sobre a tradição oral na construção da cultura e formação dos sujeitos, de como se constituem as histórias pessoais e coletivas, em especial,  desenvolvendo a percepção para identificarmos em cada image11um e em cada uma os preconceitos que carregamos, os modelos que presenciamos nos espaços educacionais de reprodução da cultura de massa, da alienação, da ausência de compromisso social com a construção de sujeitos autônomos. A oficina foi conduzida pelo educador João Werlang do CEAAL – Conselho de Educação Popular da América Latina e Caribe.

No período da tarde foi realizada uma Arena com o tema O fazer da cultura popular na produção de conhecimento, aprendizagem e formação de sujeitos autônomos.  Nesta arena se estabeleceu o diálogo sobre os desafios da educação nas escolas, para que se reinvente, a ação dos docentes e de educandos, reconhecendo que todos portadores de saberes, para que a escola não seja um espaço de aprisionamento do saber formal, determinado pelas estruturas de mercado, mas, um território que catalise todos os saberes, incluindoimage4 nestes, o reconhecimento aos mestres locais das cantigas, dos cuidados do corpo e da alma com o conhecimento das plantas, os mestres das expressões culturais que mantém vivas as tradições das comunidades.

O diálogo passou pela escola, tomou conta das praças e das formações de redes, presenciais e virtuais, que se articulam por saberes distintos. Redes de mestres da arte popular, das pessoas cuidadoras da saúde, dos espaços de revelação de nossa corporalidimage7ade nas danças e cirandas. Desta arena participaram como convidados, João Paulo Mehl do coletivo Soylocoporti, Kely Alves do Ministério da Cultura e Ray Lima, Cenopoeta do movimento Escambo.

O encerramento se fez ciranda no convite para dançar e cantar feito por Ray Lima, e exercitamos nossa corporalidade, o tato, a acolhida um do outro, uma da outra, e a tempo passou rápido, quando nos demos canta acabara o dia.

Rapidamente foi informado sobre o processo atual de organização do FREPOP 2016, que terá o tema gerador e o local sendo decidido em processos de participação no site do FREPOP e em cirandas nacionais de mobilização e organização, sendo que a primeira deve ser marcada para final de outubro ou inicio de novembro.

image5

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*